cancelar
Showing results for 
Search instead for 
Do you mean 

Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Highlighted
Aronguejo

Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Devido às discussões em outros tópicos do fórum decidi organizar uma postagem falando sobre estatísticas no TFT. Para começar, vou fazer uma proposta ousada: acabar com o mito da sorte no TFT.

 

Em primeiro lugar vamos esclarecer uma coisa: existe um fator de aleatoriedade.

O poeta francês Stéphane Mallarmé tinha razão: "um lance de dados jamais abolirá o acaso"

Como em qualquer jogo de cartas você pode ter uma rodada de sorte. O jogo pode te favorecer como é possível sair com uma mão de casal maior no truco ou uma "figura + A" no blackjack: Vencedor! Vencedor! Galinha para o jantar!

 

Mas o fato é que existe uma forma de usar matemática para aumentar suas chances de ser agraciado com o fator sorte. Você só tem que saber calcular probabilidades.

 

O QUE É PROBABILIDADE NO TFT? É a Chance de vir a carta que eu quero dividido pelo universo que eu tenho

 

Muita gente entra em um jogo de TFT e se deixa guiar por fatores como emoções, medo, predileções... Nem cogita mudar a composição que começou a criar no início do jogo porque "esse é meu jeito ninja" ou fica roletando aleatoriamente em busca de ser agraciado com "o coração das cartas". 

 

Neste momento, porém, a matemática é mais sua amiga do que sua intuição

Então, vamos deixar de lado nossas emoções e começar a pensar.

 

O PROBLEMA DE MONTY HALL

Vou trazer este famoso problema que é perfeito para mostrar a leigos como eu a reconhecer onde há eventos onde a probabilidade é aplicável e como isso pode aumentar consideravelmente as chances de ter a sorte em seu favor.

 

Para você que gosta de vídeos, assista esse trecho do filme QUEBRANDO A BANCA:

 

O problema é relativamente simples. Você pode escolher três portas (1, 2 e 3). Atrás de uma delas tem um carro, atrás das outras duas estão dois bodes. Na primeira escolha, sua chance de acertar é de 33.333%.

O que acontecia é que o apresentador do programa, Monty Hall, adicionava um fato novo que mudava completamente as probabilidades. Após a escolha, ele abria uma porta contendo um bode e perguntava: você quer trocar de porta?

 

Eis a magia do problema. Muita gente aqui vai pensar em não trocar, justificando a escolha em fatores como "se manter firme em sua decisão inicial", ou então "o temor de que o apresentador esteja tentando te induzir ao erro, uma vez que ele sabe o que está por trás de cada porta". A questão é que a probabilidade continua sendo aplicável. Mas o cérebro humano é induzido ao erro, acreditando que agora trocar ou não é uma escolha de 50/50. Mas não é! Matematicamente a troca é invariavelmente mais vantajosa, pois as chances de ganhar trocando de porta são de 66.666% (enquanto manter a escolha inicial mantém suas chances de sucesso em 33,333%). 

 

Mas por que? No vídeo fica mais fácil entender...

 

Basicamente: você tem três portas. 
Se você escolheu o carro (33,333%):  o apresentador vai abrir qualquer um dos bodes, e se você trocar.... Vai perder!

Se você escolheu um bode (66,666%): o apresentador vai abrir obrigatoriamente o outro bode, e se você trocar.... Parabéns, o carro é seu!

 

Como as chances de ter escolhido um bode na primeira escolha são de 66.666%, você terá o dobro de chances de ganhar optando pela troca!

Isso garante que você vai ganhar o carro? Não. Mas uma simples variável acabou de permitir que você dobre suas chances de sucesso. Então.... Aceite os 33,333% extras! 

 

E O QUE ISSO TEM A VER COM TFT?

O jogo distribui uma quantidade X de campeões entre todos os participantes, como se todos tirassem cartas de um único baralho. Você sabe quantas cartas existem nesse baralho e também quais cartas os seus adversários já puxaram. Vamos falar do universo e das probabilidades do TFT!

 

Resultado de imagem para reroll tft

 

Na imagem acima você tem a % de chances de vir um campeão de determinado tier (dependendo do seu level) e quantas cartas de cada campeão fazem parte do baralho - ou seja, são CONTÁVEIS.

Vamos exemplificar situações reais:

 

A) Alguém conseguiu um Draven (3 Estrelas)...

Não haverão dois! Só existem 13 Dravens disponíveis, e 9 já foram... Logo, se você tem os outros quatro não adianta ficar roletando atrás de Draven! 

 

B) Quero fazer "Morgana - Aatrox - Kennen"

Deixe para roletar atrás deles no level 6, quando suas chances de um campeão Tier 3 dar as caras aumentam para 30%!

Eles estarão surgindo aleatoriamente desde o level 3, mas.... Mesmo que você consiga duas Morganas repetidas por sorte, ainda não vale a pena roletar atrás de uma terceira, pois as chances ainda são muito pequenas. Pode ser que você abuse do reroll e seja bem sucedido? Sim. Mas você não está contando, está jogando! (Em resumo, você abandonou as probabilidades e não quis trocar de porta porque acredita no coração das cartas... Nobre, porém ilógico).

 

C) Estou fazendo pistoleiros e a Tristana é o meu carry

Você vai precisar dela com 3 estrelas! E é melhor que consiga isso entre os levels 5 e 6. Por que? Porque é uma altura do jogo em que sua situação financeira geralmente permite alguns rerolls e as probabilidades ainda são favoráveis. Você até pode fechar depois, mas.... Vai ter que confiar na "sorte"e jogar "contra as probabilidades", o que geralmente é frustrante. 

 

 

Observações Finais

Eu acho que deu para ter uma boa ideia do que são probabilidades, como elas podem se esconder na mente humana e, quando manipuladas corretamente, quanta vantagem podem proporcionar. 

 

É importante ressaltar:

- E os itens? São um fator de aleatoriedade a considerar. Certamente que quantidade e qualidade de itens ajudam, mas.... Não são tudo. Mesmo sem um arsenal de itens ideal você pode brigar por uma posição digna e se manter entre os primeiros fazendo uma boa gestão de seus outros recursos (campeões e dinheiro).

É possível ganhar todas? Não. Mas é possível se manter entre os quatro primeiros na maioria dos jogos. 

Imagine que você está brigando com uma pessoa, vocês estão rolando no chão. Você sabe jiu-jitsu e seu adversário não. Jogar com as probabilidades contra quem joga intuitivamente é mais ou menos isso.

 

Eu vi (e respondi) algumas pessoas falando coisas do tipo "eu roletei todo meu dinheiro atrás de uma carta X, e mesmo com estatísticas relativamente favoráveis eu não consegui". 

Existem várias situações que surgem nos jogos (Blackjack, Poker, Truco, Cacheta, etc... Até xadrez!) e podem ser adaptadas no TFT. Mas isso é assunto para um outro dia....!

36 RESPOSTAS
Tropa

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

bom post, vo resumir ele aqui pra vc:

tem sorte no jogo, mas você pode correr atrás dela, inves de esperar que ela venha até você
Dragão

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Excelente post amigo, porém o conceito de probabilidade estatística é muito complicada pra botar na cabeça do pessoal ruim que não tão subindo por serem ruins. O pessoal que tenta ser monochamp no TFT vai continuar se ferrando e quem sabe jogar com o que o universo lhe da vai conseguir se manter entre os 4 primeiros até o fim dos tempos.


PS: Eu ainda acho que esses proplayers no challanger com win rate de 30-40% tinha que largar do LOL e ir jogar na Mega, é uma sorte tão absurda que esse povo tem que eu não consigo entender porque eles estão desperdiçando com o LOL.

#VoltaBoards!!!

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

A não ser que seu oponente tenha um Kassadin com 3 Lâmina da Fúria de Guinso ou Veigar full build
Aronguejo

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"


@EngShady  escreveu:

Excelente post amigo, porém o conceito de probabilidade estatística é muito complicada pra botar na cabeça do pessoal ruim que não tão subindo por serem ruins. O pessoal que tenta ser monochamp no TFT vai continuar se ferrando e quem sabe jogar com o que o universo lhe da vai conseguir se manter entre os 4 primeiros até o fim dos tempos.


PS: Eu ainda acho que esses proplayers no challanger com win rate de 30-40% tinha que largar do LOL e ir jogar na Mega, é uma sorte tão absurda que esse povo tem que eu não consigo entender porque eles estão desperdiçando com o LOL.


Você tocou em um tema importantíssimo: na maioria das vezes não é o player que escolhe a comp, é a comp que escolhe o player! 

Tem gente que vê "nossa, glaciais estão fortes", e ignora as chances que o jogo te dá perseguindo um caminho que certamente será mais difícil, como você disse. Perfeita sua colocação.

 

Sobre abordar a questão de estatísticas e probabilidades...

Como um amigo meu dissse: "em Summoner's Rift tem gente que acha que a culpa é toda do jungle..."

Por mais que apareça quem não concorde, não acredite ou não aceite que o resultado final do TFT seja uma combinação entre "entender as combinações e sinergias das peças" e "matemática aplicada", eu achei que seria instrutivo tentar explicar...

Uma galera curtiu, então já valeu a pena! 

 

Lenda

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Excelente tópico, os argumentos do tipo "TFT é só sorte", são falsos, afinal quem está no Challenger do TFT é apenas sortudo? ou joga utilizando o RNG ao seu favor? Eu mesmo já ganhei jogos em q sai em 8º com menos itens q todo mundo, e venho conseguido ficar na grande maioria das vezes entre os 4 primeiros, é apenas sorte? Não, realmente como vc disse não dá pra ganhar todas, mas dá pra ficar sempre entre os 4 melhores colocados, sendo inteligente, upando na hora certa, roletando na hora certa, fazendo as composições certas.
Arauto

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Por exemplo, tive uma partida aonde eu tinha item pra caralho e uma comp decente. Mas por um erro de posicionamento, perdi e fiquei em 3º.
Invés de ficar frustado com a sorte, fiquei feliz com mais um aprendizado de posicionamento que eu não sabia.

Assim, como teve partida aonde eu tinha item nenhum e virei com tudo.

É claro que há partidas aonde eu ganho de lavada e outras que eu perco com um bom chute na bunda, mas eu não posso tratar as exceções como regras.
Arauto

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Esclarecedor e genuíno

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Concordo com o que você diz. A minha dúvida recai em:

Supondo que você tem 30% de chance de pegar um Karthus, são 10 cartinhas, ninguém pegou ainda. Como funciona esse processo? Vou supor que haja um 'dado' com 100 numerais e ele é 'jogado' pelo sistema e, caindo dentro dessa margem, você tem um sucesso. Você conseguiu! Pegou uma cartinha do Karthus e agora pode ser um Karthus abuser maldito.

 

Agora, supondo que eu e você tenhamos 30% de chance. E aconteça a mesma coisa, mas eu consegui o Karthus, e por isso sou um maldito abusador de Karthus e você não. Isso não é a 'sorte' envolvedo a probabilidade (uma vez que seja usada da forma certa, seguindo as estimativas e tudo mais).

 

Por quê diversar vezes vejo coisas assim acontecendo. E não há, ou não parece, alguma mecanismo que garanta que ao eu não conseguir a cartinha, mesmo as probabilidades estando ao meu favor, que eu vá conseguir. Sabe? Não tem uma espécie de contador de 'falhas' que quando atingido vai me dar a cartinha.

 

A minha dúvida e sensação quando jogo é essa. Que apesar do jogo ser paltado na probabilidade, ainda há o componente da sorte e, mesmo com a probabilidade ao seu favor, você conseguir ou não.

 

Não sei se me fiz entender, mas posso tentar expor da dúvida de outra forma, caso tenha ficado difícil.

Dragão

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Ou seja. O jogo é baseado na sorte e não na estratégia.
Com que fundamento eu faço isso? Oras, com os dele próprio.
Da mesma forma que o rapaz tinha 66,6% de pegar o carro naquela porta, ele tinha de perder.
Contar cartas para chegar algum número é diferente de esperar uma carta de um computador que sorteia aleatoriamente. No jogo não, eu tô montando minha composiçao em que Draven é meu atirador e nenhum outro adversário está com Draven nas mãos. Logo, por ter uma taxa de drop baixo a carta pode chegar como não chegar, enquanto isso eu estou sofrendo no jogo por está perdendo pontos... isso que acontece, caro.

Dragão

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Fora uqe nossa sinhora ainda tem a questão da itemização. Já peguei partidas que veio 2 armaduras para min e eu querendo crescer um mago --' Dai qunado vou olhar os inimigos, o cara com uma Shyvanna em campo toda itemizada da forma correta, derrubando meu time sozinha.
Aronguejo

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"


@Gengar Drogado  escreveu:

@Katayama  escreveu:

Devido às discussões em outros tópicos do fórum decidi organizar uma postagem falando sobre estatísticas no TFT. Para começar, vou fazer uma proposta ousada: acabar com o mito da sorte no TFT.

 

Em primeiro lugar vamos esclarecer uma coisa: existe um fator de aleatoriedade.

O poeta francês Stéphane Mallarmé tinha razão: "um lance de dados jamais abolirá o acaso"

Como em qualquer jogo de cartas você pode ter uma rodada de sorte. O jogo pode te favorecer como é possível sair com uma mão de casal maior no truco ou uma "figura + A" no blackjack: Vencedor! Vencedor! Galinha para o jantar!

 

Mas o fato é que existe uma forma de usar matemática para aumentar suas chances de ser agraciado com o fator sorte. Você só tem que saber calcular probabilidades.

 

O QUE É PROBABILIDADE NO TFT? É a Chance de vir a carta que eu quero dividido pelo universo que eu tenho

 

Muita gente entra em um jogo de TFT e se deixa guiar por fatores como emoções, medo, predileções... Nem cogita mudar a composição que começou a criar no início do jogo porque "esse é meu jeito ninja" ou fica roletando aleatoriamente em busca de ser agraciado com "o coração das cartas". 

 

Neste momento, porém, a matemática é mais sua amiga do que sua intuição

Então, vamos deixar de lado nossas emoções e começar a pensar.

 

O PROBLEMA DE MONTY HALL

Vou trazer este famoso problema que é perfeito para mostrar a leigos como eu a reconhecer onde há eventos onde a probabilidade é aplicável e como isso pode aumentar consideravelmente as chances de ter a sorte em seu favor.

 

Para você que gosta de vídeos, assista esse trecho do filme QUEBRANDO A BANCA:

 

O problema é relativamente simples. Você pode escolher três portas (1, 2 e 3). Atrás de uma delas tem um carro, atrás das outras duas estão dois bodes. Na primeira escolha, sua chance de acertar é de 33.333%.

O que acontecia é que o apresentador do programa, Monty Hall, adicionava um fato novo que mudava completamente as probabilidades. Após a escolha, ele abria uma porta contendo um bode e perguntava: você quer trocar de porta?

 

Eis a magia do problema. Muita gente aqui vai pensar em não trocar, justificando a escolha em fatores como "se manter firme em sua decisão inicial", ou então "o temor de que o apresentador esteja tentando te induzir ao erro, uma vez que ele sabe o que está por trás de cada porta". A questão é que a probabilidade continua sendo aplicável. Mas o cérebro humano é induzido ao erro, acreditando que agora trocar ou não é uma escolha de 50/50. Mas não é! Matematicamente a troca é invariavelmente mais vantajosa, pois as chances de ganhar trocando de porta são de 66.666% (enquanto manter a escolha inicial mantém suas chances de sucesso em 33,333%). 

 

Mas por que? No vídeo fica mais fácil entender...

 

Basicamente: você tem três portas. 
Se você escolheu o carro (33,333%):  o apresentador vai abrir qualquer um dos bodes, e se você trocar.... Vai perder!

Se você escolheu um bode (66,666%): o apresentador vai abrir obrigatoriamente o outro bode, e se você trocar.... Parabéns, o carro é seu!

 

Como as chances de ter escolhido um bode na primeira escolha são de 66.666%, você terá o dobro de chances de ganhar optando pela troca!

Isso garante que você vai ganhar o carro? Não. Mas uma simples variável acabou de permitir que você dobre suas chances de sucesso. Então.... Aceite os 33,333% extras! 

 

E O QUE ISSO TEM A VER COM TFT?

O jogo distribui uma quantidade X de campeões entre todos os participantes, como se todos tirassem cartas de um único baralho. Você sabe quantas cartas existem nesse baralho e também quais cartas os seus adversários já puxaram. Vamos falar do universo e das probabilidades do TFT!

 

Resultado de imagem para reroll tft

 

Na imagem acima você tem a % de chances de vir um campeão de determinado tier (dependendo do seu level) e quantas cartas de cada campeão fazem parte do baralho - ou seja, são CONTÁVEIS.

Vamos exemplificar situações reais:

 

A) Alguém conseguiu um Draven (3 Estrelas)...

Não haverão dois! Só existem 13 Dravens disponíveis, e 9 já foram... Logo, se você tem os outros quatro não adianta ficar roletando atrás de Draven! 

 

B) Quero fazer "Morgana - Aatrox - Kennen"

Deixe para roletar atrás deles no level 6, quando suas chances de um campeão Tier 3 dar as caras aumentam para 30%!

Eles estarão surgindo aleatoriamente desde o level 3, mas.... Mesmo que você consiga duas Morganas repetidas por sorte, ainda não vale a pena roletar atrás de uma terceira, pois as chances ainda são muito pequenas. Pode ser que você abuse do reroll e seja bem sucedido? Sim. Mas você não está contando, está jogando! (Em resumo, você abandonou as probabilidades e não quis trocar de porta porque acredita no coração das cartas... Nobre, porém ilógico).

 

C) Estou fazendo pistoleiros e a Tristana é o meu carry

Você vai precisar dela com 3 estrelas! E é melhor que consiga isso entre os levels 5 e 6. Por que? Porque é uma altura do jogo em que sua situação financeira geralmente permite alguns rerolls e as probabilidades ainda são favoráveis. Você até pode fechar depois, mas.... Vai ter que confiar na "sorte"e jogar "contra as probabilidades", o que geralmente é frustrante. 

 

 

Observações Finais

Eu acho que deu para ter uma boa ideia do que são probabilidades, como elas podem se esconder na mente humana e, quando manipuladas corretamente, quanta vantagem podem proporcionar. 

 

É importante ressaltar:

- E os itens? São um fator de aleatoriedade a considerar. Certamente que quantidade e qualidade de itens ajudam, mas.... Não são tudo. Mesmo sem um arsenal de itens ideal você pode brigar por uma posição digna e se manter entre os primeiros fazendo uma boa gestão de seus outros recursos (campeões e dinheiro).

É possível ganhar todas? Não. Mas é possível se manter entre os quatro primeiros na maioria dos jogos. 

Imagine que você está brigando com uma pessoa, vocês estão rolando no chão. Você sabe jiu-jitsu e seu adversário não. Jogar com as probabilidades contra quem joga intuitivamente é mais ou menos isso.

 

Eu vi (e respondi) algumas pessoas falando coisas do tipo "eu roletei todo meu dinheiro atrás de uma carta X, e mesmo com estatísticas relativamente favoráveis eu não consegui". 

Existem várias situações que surgem nos jogos (Blackjack, Poker, Truco, Cacheta, etc... Até xadrez!) e podem ser adaptadas no TFT. Mas isso é assunto para um outro dia....!


Concordo com o que você diz. A minha dúvida recai em:

Supondo que você tem 30% de chance de pegar um Karthus, são 10 cartinhas, ninguém pegou ainda. Como funciona esse processo? Vou supor que haja um 'dado' com 100 numerais e ele é 'jogado' pelo sistema e, caindo dentro dessa margem, você tem um sucesso. Você conseguiu! Pegou uma cartinha do Karthus e agora pode ser um Karthus abuser maldito.

 

Agora, supondo que eu e você tenhamos 30% de chance. E aconteça a mesma coisa, mas eu consegui o Karthus, e por isso sou um maldito abusador de Karthus e você não. Isso não é a 'sorte' envolvedo a probabilidade (uma vez que seja usada da forma certa, seguindo as estimativas e tudo mais).

 

Por quê diversar vezes vejo coisas assim acontecendo. E não há, ou não parece, alguma mecanismo que garanta que ao eu não conseguir a cartinha, mesmo as probabilidades estando ao meu favor, que eu vá conseguir. Sabe? Não tem uma espécie de contador de 'falhas' que quando atingido vai me dar a cartinha.

 

A minha dúvida e sensação quando jogo é essa. Que apesar do jogo ser paltado na probabilidade, ainda há o componente da sorte e, mesmo com a probabilidade ao seu favor, você conseguir ou não.

 

Não sei se me fiz entender, mas posso tentar expor da dúvida de outra forma, caso tenha ficado difícil.


Vamos começar pelo seu exemplo do Karthus, ok?

O Karthus é um campeão de Tier 5, então...

No level 9 você terá 10% de chance de aparecer um campeão Tier 5...

Ao todo nós temos seis campeões Tier 5, de modo que a chance de aparecer um Karthus é de 1/6.

 

As chances já são pequenas mesmo nas condições ideais. 

 

Agora, sobre a questão de sorte e azar...

Você conhece Poker? É um jogo de cartas bastante popular hoje em dia. 

O senso comum a respeito do poker, alguns anos atrás, era de que se tratava de um jogo de sorte. Hoje em dia o Poker é aceito como um "esporte da mente". Por que?

 

Existe, claro, um fator de aleatoriedade. Considerando as regras do Texas Hold'en, uma das variedades mais populares, você nunca vai começar um jogo com 100% de chances de vencer. Uma mão inicial com 2 e 7 de naipes diferentes, por exemplo, tem pouco mais de 10% de chances de ganhar contra uma mão com duplo A, por exemplo. Mas a vitória não está garantida

 

Existe um fator de aleatoriedade. A "sorte" existe sim. E faz parte do jogo. 

O que é errado é considerar que "apenas a sorte" separa os primeiros colocados dos últimos. 

 

Vamos voltar ao PROBLEMA DE MONTY HALL, que eu usei como exemplo: com certeza algumas pessoas que participaram do show escolheram não trocar de porta e venceram. Assim como deve ter alguém que escolheu trocar e perdeu. Mas... Quanto maior for a amostragem, mais próximo do dado estatístico real vai ser a experiência. A matemática diz que 2/3 das pessoas que escolherem trocar de porta vencerão. Qual é o significado oculto da assertiva? 1/3 das pessoas vão jogar a favor das estatísticas e mesmo assim perderão. 

 

Não existe nenhum mecanismo seguro que te garanta conseguir uma carta específica. A boa notícia é que não existe esse mecanismo para nenhum dos lados. Mas.... São as probabilidades favoráveis aliada à aplicação da estratégia e do conhecimento do jogo que farão você ter resultados melhores.

 

Os 10 melhores jogadores de Poker do mundo não são os 10 mais sortudos do planeta. Se eles pudessem aplicar a sorte desta forma, estariam ganhando na loteria toda semana. Mas eles não fazem isso. Eles jogam Poker. Porque as cartas dependem de matemática e estratégia (assim como o TFT), sendo a sorte apenas um fator complementar que pode te ajudar mas com a qual você nunca deve contar.

 

Claro que vão existir jogos de TFT decididos pela sorte. E esses jogos podem até não ser tão raros (a ponto de qualquer jogador com 100 partidas ou mais facilmente ter vivido situações assim), mas.... São a minoria! O domínio das estratégias e combinações e o controle do cálculo de probabilidade garantem muito mais vitórias do que mandingas e pés de coelho.

 

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Não vou replicar a citação se não ficará enorme rs

Mas compreendo tudo isso que você fala, o que é questão para mim não é como a probabilidade funciona, e sim a probabilidade dentro do jogo que usa um sistema para calcula-la.

Veja bem, se tivéssemos TFT em 'carta', como uma barulho e eu e você pudéssemos jogar um contra o outro; como poker, usando parte do seu exemplo. A matemática estaria ali, diretamente, como você expôs.

Só que a partir do momento que usamos um sistema para criar essa probabilidade, algo nesse sistema tem que fazer o papel da 'aleatoriedade'. A minha alusão ao um dado de 100 faces é exatamente isso, a forma com que o sistema do jogo faz para calcular essa probabilidade.

É como se tivesse um terceiro fator; supondo que eu e você, ao jogar, sejamos os outros dois. Obviamente, como você disse, a probabilidade das cartas virem é diferente baseada no nível e na quantidade de carta que cada jogador durante o jogo tem em campo ou na sua board.

Só que esse terceiro fator, o sistema, que ninguém sabe como funciona nem como calcula essa probabilidade, o que diz que aquele meu 85% vai me garantir algo, ou não, é abstrato pra gente. Ninguém sabe como funciona essa programação e isso as vezes, como você fala, quando diz:

"Claro que vão existir jogos de TFT decididos pela sorte. E esses jogos podem até não ser tão raros (a ponto de qualquer jogador com 100 partidas ou mais facilmente ter vivido situações assim), mas.... São a minoria!"

É um ótimo exemplo disso. Acho que a Sorte no jogo funciona de forma diferente do que a gente poderia esperar num jogo de cartas real, digamos assim. Ponho em dúvida a aleatoriedade que sistema cria, não a ideia de que o jogo é pautado, digamos, 95% em probabilidade.
Aronguejo

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"


@ShZi  escreveu:
Ou seja. O jogo é baseado na sorte e não na estratégia.
Com que fundamento eu faço isso? Oras, com os dele próprio.
Da mesma forma que o rapaz tinha 66,6% de pegar o carro naquela porta, ele tinha de perder.
Contar cartas para chegar algum número é diferente de esperar uma carta de um computador que sorteia aleatoriamente. Nas cartas, saiu 2 números alto e para os que estão comigo na mesa sairão os baixos, então as chances de vim um número alto para min são grandes! No jogo não, eu tô montando minha composiçao em que Draven é meu atirador e nenhum outro adversário está com Draven nas mãos. Logo, por ter uma taxa de drop baixo a carta pode chegar como não chegar, enquanto isso eu estou sofrendo no jogo por está perdendo pontos... isso que acontece, caro.

Você pode pensar que o jogo é baseado na sorte ou tentar buscar falhas na sua estratégia.

 

O rapaz tinha 66.666% de chances de ganhar o carro, mas é claro que ele tinha chances de perder. Mas jogar com as probabilidades a favor não é uma técnica para ganhar 100% das vezes (isso se chama TRAPACEAR). E, a menos que você esteja sugerindo que a Riot programou o engine para sempre dar as piores cartas para você, o fato do computador fazer o sorteio ou de você contar cartas em um baralho manual não é relevante. 

 

Sobre o caso do Draven....
O fato da sua estratégia estar dependente de um carry Tier 4 já é uma escolha errada em si. Por que?

O meta do TFT atualmente é muito acelerado. Muita gente que monta composições com foco no late game nem sobrevivem até lá para contar história. Ou seja, esperar alcançar o level 9 para roletar atrás do Draven é temerário, e se desmonetizar roletando atrás dele antes disso tem muito poucas chances de êxito.

Então, neste caso específico, o erro para mim não está nem no fator sorte, e sim na escolha da estratégia. 

 

No TFT de hoje o midgame já é o late game. Se você e seu adversário chegam no level 6 e começam a roletar atrás de cartas... As chances de aparecer um campeão Tier 4 são de 10%, contra 30% de chances de surgir um campeão Tier 3 (ou seja, as chances são muito grandes de você ser varrido por uma comp de Glaciais ou de Shyvana antes de comprar um ou dois Dravens). 

 

 

Aronguejo

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"


@IviF  escreveu:
Por exemplo, tive uma partida aonde eu tinha item pra caralho e uma comp decente. Mas por um erro de posicionamento, perdi e fiquei em 3º.
Invés de ficar frustado com a sorte, fiquei feliz com mais um aprendizado de posicionamento que eu não sabia.

Assim, como teve partida aonde eu tinha item nenhum e virei com tudo.

É claro que há partidas aonde eu ganho de lavada e outras que eu perco com um bom chute na bunda, mas eu não posso tratar as exceções como regras.

Fiquei muito satisfeito com sua resposta, porque além da lucidez na compreensão dos fatos você trouxe também a atitude mais positiva possível dentro do jogo.

 

O resultado dos jogos depende infinitamente mais de seus acertos e erros na definição da estratégia e nas suas decisões. Mesmo quando a sorte aparentemente está a favor, um passo em falso pode custar o jogo. 

Mas o que gostei mesmo foi que você aceita que o resultado final foi influenciado por você. É muito mais humano, sobretudo, jogar a culpa na sorte, na programação do jogo, no adversário, enfim... Desviar o foco para outros. 

 

O recado que fica é: "Eu nunca perco jogando TFT.... OU eu venço OU eu aprendo!"
Parabéns pela atitude. Mesmo depois das derrotas mais frustrantes, o caminho para a evolução é nunca parar de pensar. 

 

Tem um ensinamento que eu aprendi com o pessoal das antigas do Clube de Xadrez de Maringá, dos tempos que eu ainda jogava, que foi uma lição valiosa para mim até fora dos tabuleiros (e que pode ser muito útil dentro do TFT, sobretudo): QUALQUER PLANO É MELHOR DO QUE NÃO TER UM PLANO.

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

sorte hoje.. sorte amanhã .. sorte pra sempre

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Bom post, quando eu resolvi usar o que o jogo me da (apesar de resultar numa farofada assustadora) eu consegui vencer minha primeira partida de TFT.

 



Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

muito top o post gostei bastante, ate mostrei pra um amigo meu que insistia em ficar roletando agora ele parou
Tropa

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Não é nem questão de subir de liga, a pessoa pode ate subir mas inevitavelmente vai perder varias partidas so porque teve azar, e isso é ruim, em um jogo justo o jogador bom ganha 99% das vezes contra o jogador ruim, no tft ele ganha uns 60%.

Tropa

Re: Matemática & TFT: Desmistificando o Fator "Sorte"

Seu topico é bem legal, mas como disseram sim TFT ainda é full sorte
Canso de ver stream do rakin e do ness e eles ficam em 8~6 varias vezes, nao adianta parceiro as vezes no mesmo level vc tá com tudo no 1 e o cara tem uma tristana 3 antes dos golens, ele só limpa todo mundo, sem falar nos itens ne que mesmo seguindo oq o jogo te da vc tá sorc com itens de tank