cancelar
Showing results for 
Search instead for 
Do you mean 

Discurso de ódio não é real!

Tropa

Re: Discurso de ódio não é real!

@LeBlanc do Fórum 

Vou fazer a mesma pergunta pra você, qual sua opinião sobre difamação, calúnia e injúria?

Role um pouco para cima e leia um pouco do que eu escrevi, complemente lendo a Constituição e depois discutimos mais. Se diz defensor da democracia, mas pelo jeito  você realmente NÃO sabe o verdadeiro significado da palavra.
O discurso de ódio é real.

Re: Discurso de ódio não é real!

Oi, @Caballo.

 

Respeito e educação é algo que não podemos depender do Estado. Difamação e discurso de ódio existem. O que eu quis dizer é que uma ou duas leis para isso não são precisas, mas sim necessárias, mas não podemos depender disso para formar leis e formas de governo; depender da chantagem desses grupos de minoria é uma estratégia de discurso, e não vou citar de que lado aqui. Note: 'ooohhh meu Deus, 7 a cada 10 trans morrem no Brasil' - só em 2018 tivemos mais de 60.000 mortes violentas. 'ooohhhh a cada 2 horas uma mulher é espancada' - 92% dos crimes de violência doméstica são praticads contra homens.

Nunca vou dizer que homofobia ou racismo não existem, estou dizendo que não precisamos de poder total do Estado em relação a esse assunto.

Luto pela democracia, sou a favor de obrigações, não direitos.

Boa tarde.

Re: Discurso de ódio não é real!


@Rafa Potato  escreveu:

@Gabrïel  escreveu:

@Hannah  escreveu:

@AliceJogaLoL  escreveu:

 

Sim! O discurso ou a fala de alguém pode ser mal, pode realmente te machucar, mas existe uma boa razão pra isso, você realmente quer botar poder nas mãos do governo para decidir o que você poderia ou não falar? Você gostaria que algum administrador decidisse o que ou não falar? O que ou não considerar ofensivo? 

Pera, você quer dizer existe uma boa razão pra ti diminuir alguém por ser de outra cor, religião, sexo, orientação sexual ou seja lá o que for?

Serio?

 

Desculpa, mas se você não vê problema nisso, você faz parte do problema, você é o problema. Os teus direitos acabam quando interferem nos direitos de outra pessoa.


Há motivos sim, eu como cristão amo diminuir hereges como você, mas infelizmente o cancro da modereção toda vez que vê as palavras cristão e herege na mesma frase me da ban de 14 dias me sensurando, e ai, quem é que comete o real discurso de ódio? A moderação que não deixa eu expressar a minha opinião sobre heregezinhos pseudo-intelectuais ou então o cristão que só quer a gozação de hereges safados mas ainda sim defende a livre defecação bocal dos mesmos?


Você não gostar é uma coisa, mas diminuir por que tem algo contra? doentio.


Diminuir pessoas é algo realmente que nem o mais conservador dos conservadores templários podem admitir. Aceitar não precisa ser obrigação, respeitar precisa. 

Concordo com o(a) Rafa.

Tropa

Re: Discurso de ódio não é real!

@LeBlanc do Fórum 

Concordo contigo em alguns pontos específicos, o Estado realmente não deveria se preocupar em criar leis que protegessem minorias se todos nós fossemos mais conscientes com nossos atos.  Mas, por outro lado, devemos sim levar em conta os dados que nos são apresentados (ainda que falhos), por que os números e portentagens com certeza são muito maiores do que nos é apresentados, e enquanto isso ainda persistir, deveremos lutar por essas classes e ajuda-las no que for necessária, como eu disse, leis são criadas pelo povo e para o povo, se elas existem é por que nosso Planalto viu que ela era necessária aplicar uma punição. O Direito Penal, por exemplo, não está ali para "Prevenir que cometam crimes" e sim para aplicar uma punição caso isso ocorra, tudo é liberado, dentro dos limites permitidos. Por isso concordo contigo que é necessária ainda a existência de leis que protejam.

Hugs. 

Re: Discurso de ódio não é real!

@Caballo Oi, desculpa a demora pra responder.

 

Você disse que eu me contrariei mas releia o seu texto, você disse que o direito de se expressar "se limita", ou seja você concordou que quer limitar o direito de expressar das pessoas, e mesmo que te ofenda você não pode querer tirar a fala dela, pois essa pessoa tem todo direito de falar o que ela pensa, expressar sua linha de pensamentos. 

 

E me explique, como isso não é considerado proibição pra você se disse que o direito de expressar deve ser limitado?

 

E outra coisa, que limite? Exatamente isso que eu disse, existe apenas um limite imaginário que ninguém determinou, não existe uma linha entre o discurso de ódio e o discurso livre, pode tentar pesquisar simplesmente não existe, isso iria variar de pessoa para pessoa, pessoas iriam ser presas ou punidas simplesmente por não pensarem do mesmo jeito que a outra pensa, isso é injusto!

 

Sim os movimentos sociais antigamente foram muito importante para termos os nossos direitos que temos atualmente, mas atualmente não precisamos mais deles, primeiramente porque são movimentos muito tóxicos e não pregam a igualdade e sim a obscenidade e perda de tempo.

 

Você percebeu que você já está misturando discurso livre com atos criminosos? Matar qualquer pessoa é sim considerado um crime, o discurso livre não vai defender isso. 

 

Não me entenda mal eu não acho que pessoas homofóbicas, racistas ou sexistas são boas, são pessoas totalmente do mal e na minha opinião não deveriam existir, mas quando se trata de se expressar elas são totalmente livres, não podemos tirar esse direito dessas pessoas.

 

Você falou, falou e falou mas não parou em lugar nenhum, embolou demais sua fala e misturou com assuntos totalmente distintos, uma boa parte das provas citadas por você não condiz com o nosso assunto, estamos falando sobre discurso livre.

 

 

Re: Discurso de ódio não é real!

@Caballo Terminando de responder, mentir em muitas circunstâncias não é protegido pelo discurso livre, ou seja, isso é considerado um crime.

 

A injúria entra no caso da ofensa, como já dito, as palavras podem te machucar, mas existe uma boa razão na qual é protegida, porém algo que não é protegido na injúria é quando é usada pra promover violência, incentivar um grupo de pessoas a atacar alguém.

 

A difamação também não é protegida pelo discurso livre, é também considerada um crime. 

Tropa

demoRe: Discurso de ódio não é real!

@AliceJogaLoL 
Os direitos fundamentais atuam com limites e restrições: há condições que são protegidas pelo suporte fático (SF? Só protege liberdade de expressão se for protegida pelo suporte fático e caso não se enquadre em nenhuma restirção). A restrição/limite nos diz o que não é protegido pelo Direito, tornando o Direito Fundamental relativo, fazendo proteger a liberdade de expressão em certos casos, na teoria interna vemos que direitos fundamentais não são absolutos, são passíveis de limitações e restrições: "Direito de um termina onde começa o de outro" de acordo com o suporte fático no caso concreto - Essa é sua tão chamada "Linha imaginária". Retornando, a teoria interna atua com limites, não absolutos e claros, sendo a identificação do limite o próprio Direito. Atua assim: Se vamos proteger liberdade de expressão, vamos catalogar todas as condutas que são protegidas pela liberdade de expressão (ai está o discurso de ódio, não é protegido). Essa teoria interna se preocupa MUITO com o âmbito de proteção do Direito, analisando os limites, vemos que quando não há reserva legal ("na forma que a lei dispuser, quando a lei dispuser, conforme a lei") vamos ver que é o legislador que vai regular, o crime de injúria limita a liberdade de expressão, atuando pelo método de Friederich Muller. Vamos pegar o caso do Danilo Gentilli, em prima facie ele tem âmplo âmbito de proteção (liberdade de expressão), mas acabou por incidir uma restrição no caso concreto, ou seja, a liberdade de expressão não suportou o fato. Portanto sim, a prima facie tudo é reconhecido pelo nosso ordenamento jurídico e todo mundo tem o Direito de se expressar. A função contramajoritária retira do legislativo o poder de decidir sobre os direitos fundamentais, se vai haver ou não o direito de expressão, se vai haver liberdade de expressar ou não [por que isso já foi decidido e catalogado], peguemos como exemplo: você "xinga" seu melhor amigo com inúmeras palavras, ele não entra com um processo contra você e nem por isso o Estado vai entrar também (a liberdade de expressão suportou o fato). Todos os Direitos Fundamentais estão presentes em nossa Consituição por conta de sua Fundamentalidade Material, é analisado seu conteúdo, portanto se ele existe é por que é preciso e necessário, ou seja, uma escolha fundamental para sociedade, por conta disso são cláusulas pétreas e invioláveis, encontrados no ínicio de nossa constituição e espalhados em textos jurídicos. Quer que o discurso de ódio seja tão protegido pelo nosso ordenamento? É simples, faça uma nova Constituição!
A partir desse pressuposto, vemos que nosso atual sistema jurídico advém do Neoconstitucionalismo, onde há uma preferência por princípios e pela ponderação na hora de resolver os processos, ou seja, todo tipo de processo vira uma questão de Direito Constitucional, colocando em detrimento o Direito Privado e autonomia privada, ou seja, contém o poder do legislativo, executivo e judiciário, vincula as 3 e limita a sociedade, por ourto lado temos a democracia que é um autogoverno do povo. O caminho em comum das duas que é a democracia delibeartiva, escrita por Gargarello e Nino é que: A tomada de decisão deve ouvir todos os afetados por ela, devem haver iguais condições de participação (MINORIAS), sendo assim o Direito dos grupos devem ser preservados. Por isso existem os direitos fundamentais, para garantia que as minorias participem.
Existem também uma distinção entre regras e princípios, são várias, mas vou específicar uma: a diferença entra o grau de determinalidade no caso concreto: A regra ela tem um maior grau de determinalidade, fazendo com que exista um problema diante do princípio, fazendo com que não consigamos dizer tão facilmente como ela vai comandar ( o que está dentro dessa "normalidade"?)- Uma tribo africana que mata animais para satisfazer sua religião, faz com que o princípio careça de uma observação naturalística, fazendo com que ele demande de mediações interpretativas. A teoria dos princípios diferencia ambos por caráter quantitativo e qualitativo, ou seja, quanto a sua natureza/estrutura lógica, não apenas quanto a caráter e estrutura. PS: regras são mais específicas que princípios.
Ronald Dworkin critíca o positivismo de Hart no seguinte aspecto: Havendo uma lacuna o juiz vai criar uma situação externa ao Direito, ex: Trasnfusões de sangue para testemunhas de Jeová. Não há nada no nosso ordenamento jurídico que diga quando deve fazer ou não, levamos como princípio, ou como regra então? O juiz vai agir como legislador, ilimitar seu poder de julgamento e julgar de acordo com seu entendimento, criando uma stiuação jurídica agindo como Juiz Hércules. Onde quero chegar? Hoje não conseguimos definir com certeza o que está dentro da normalidade, mas o juiz sempre será virtuoso em julgar um caso, preservando a integrida da pessoa humana, por isso os discursos de ódio não são protegidos, como eu disse, aplicando-se a dimensão de peso e importância no caso concreto, nas testemunhas de Jeová e transfusão de sangue, será muito maior o Direito a vida do que sua crença. Fazendo o sopesamento no caso de Liberdade de expressão em caráter Prima Facie (sem vincular a qualquer caso concreto, é permitido), é harmonica com direito a honra, mas como eu citei, dependendo do caso apontam soluções distintas, ou seja, se proteger liberdade de expressão, desprotege direito a honra e vice-versa, tudo depende do suporte fático do caso concreto.
PS: Leia sobre Direitos Fundamentais de Robert Alexy e entenderá bastante sobre o que escrevi e o que é nosso ordenamento hoje.
Os movimentos, manifestações faz uma reaproximação entre Direito e Moral, são atos morais, no sentido procedimental por que trazem procedimento para elaboração de novas leis. Já imaginou se não tivessem feito as manifestações em 2013 pelo aumento das passagens? Se não tivesse tido a Crise do Diesel em 2018? Saia da caverna de platão amigo, pare de olhar só pra parede, leia a Constituição, ela é linda!

Arauto

Re: Discurso de ódio não é real!

Não entendi a sua tese da inexistência do discurso de ódio. Ele existe, inclusive o conceituaram, como você mesma traz.

Acho que o que você quer discutir é sobre o governo dizer o que pode ou não ser dito.

Nisso eu concordo, o governo, pelo menos numa democracia não pode te dizer o que pode ou não ser dito, não pode ou não deveria censurar nada. Mas por outra via, ele pode e deve te punir. A mediação dentre o "certo" e "errado" é necessária, pois o Estado compreende as forças regulatórias, formamos uma sociedade e para vivermos assim precisamos convencionar o que é ou não legal e bom para as pessoas.

Exemplo: Você pode gritar no seu prédio e utilizar música alta, mas tenho certeza que em algum momento os moradores do prédio convencionaram que isso não é tão legal após as 22.

Então se alguém ou algum grupo diz que as pessoas estão as ofendendo, julgando-as por suas condições e convencionamos que as pessoas precisam ser respeitadas para mantermos nossa sociedade funcional para todos, talvez a gente deva pensar sim, ou melhor, repensar que, apesar de você ter a liberdade de fazê-lo, essas pessoas têm a liberdade de repreendê-lo.

Por fim, gostaria de lembrar que falar e comunicar-se é em si um ato, e as palavras têm em nós algum sentido, assim como por si mesmas as demos sentidos.

OBS: Não sei pq a citação do Estados Unidos, nós estamos no Brasil.

Re: Discurso de ódio não é real!

@Níobe  Eu no momento estava respondendo ele, mas sinceramente odeio ler textos bíblicos e achei bem mais interessante o seu:

 

Eu tentei resumir o máximo possível e ainda ficou meio grande, mas eu agradeço se puder ler tudo. 

___________________________________________________________________________

 

1. Não adianta você vim falar pra mim que o discurso de ódio existe se eu não concordo com isso.

 

2. Eu não entendo porque vocês gostam tanto de se contrariar, você disse que concorda que o governo, em uma democracia, não pode dizer o que pode ou não ser dito e que não deveria censurar nada, mas ele deve te punir por falar o que você pensa?? Mas isso é censura. 

 

3. O que é certo e o que é errado pra você? O que é certo pra mim talvez não seja certo pra você, a linha do discurso de ódio é imaginária, cada um pode se ofender com coisas diferentes, e as pessoas são presas por isso? 

 

Exemplo: Uma pessoa religiosa tem uma crença, certo? A pessoa religiosa é contra os LGBTs, ele será preso porque ele não quer ir contra a própria crença? Ele não pode falar o que ele pensa sobre as pessoas LGBTs? E se ele falar sobre a opinião dele ele vai ter que ser preso? É simplesmente injusto! Todos nós deveríamos ter nosso direito de falar o que nós pensamos.

 

4. Utilizar música alta em um prédio é BEEEEEEM distinto do nosso assunto, os moradores têm total liberdade de reclamar, a mesma coisa com gritar, nenhum desses exemplos que você deu entra no discurso livre.

 

5. Deixa eu te contar uma breve história lá nos EUA sobre um casal homossexual (sim, mais um exemplo apesar de eu não ter nada contra) que resolveu comprar um bolo de casamento, o dono da confeitaria era contra isso e ele recusou a fazer o bolo e o casal em vez de procurar outro lugar eles entraram na justiça, mas pera, pera, pera! Ele não tem que ir contra a crença dele! Ele tem total liberdade de não atender um cliente. 

 

6. Não estamos falando de um assunto somente fechado ao Brasil, antes de digitar qualquer coisa  é bom pesquisar, porque a sua ignorância foi nítida. 

 

E como último, os Estados Unidos é o país mais livre do mundo! Até mesmo os canadenses que vão morar nos Estados Unidos admitem que eles são muito mais livres lá, é simplesmente a maior referência que nós temos sobre o assunto que estamos debatendo.

 

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

@Caballo 

Já vou logo te falando, 98% do seu texto é só enrolação e encheção de linguiça, é incrível como você usa essas palavras parecendo que é um advogado e que é inteligente, mas é tudo pra disfarçar sua ignorância.

 

Digitar mais não significa ter mais argumentos, entenda isso, mas dos 2% que eu peguei do seu texto eu posso debater o que é importante:

 

As minorias não deveriam ser tratadas de forma especial, elas deveriam ser tratadas de formas iguais. É só isso o que eu consegui retirar do seu textão. 

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

e caso queira que eu debata sobre outra coisa, plmd aponta no seu texto pq eu fiquei com preguiça de ler tudo, simplifica a forma de falar pra não cansar os olhos de quem lê. 

Tropa

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

Bom, já percebi que contextualizar pra você entender o que eu quero dizer também não vale a pena, percebi que gente ignorante como você, que não gosta de leitura e muito menos tentar entender, não vale a pena tentar mostrar o óbvio, até por que mostrei exatamente o ponto que você mais arguemnta. Discurso de ódio é real, vai continuar existindo não importa o que dê nesse fórum. Aliás, ao contrário de você, eu sou advogado e conheço a constituição por que a estudei e atuo na área, quer discutir questões de Direito e não aguenta ler míseras linhas? Vai precisar ler muitas vezes para extrair o mínimo do meu "textão", por que o que tu citou é apenas "nada" de um todo. Passar bem e bom jogo!
Dragão

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

Bem...

@LeBlanc do Fórum me falou sobre esse post e fui meditar um pouco.

 

Eu acredito que esse assunto um pouco complicado, pois pode envolver um pouco a reação das outras pessoas. Se tem algo que pode causar algo pior, precisa ser debatido com seriedade, evitando violência. Se o discurso de ódio é real? Eu acho que há a violência fisica e psicológica, mas certas pessoas nas redes sociais estão confundindo as coisas.

E prefiro não sair contando pra todo mundo o que acho de uma coisa, é algo pessoal meu. Acho melhor meditar e ver o que acontece ao meu redor.

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

@Caballo 

 Primeiramente, eu amei quando você falou "ao contrário de você, sou advogado e atuo na área" como se você estivesse um degrau acima.

 

Mas engraçado, eu já vi debates de pessoas que atuam na mesma área e nenhuma delas fizeram um texto desses que nem o seu, elas usaram uma linguagem suavizada e adequada e apresentaram argumentos convincentes, será por quê?

 

E outra coisa, eu também amei quando você disse "míseras linhas" quando você literalmente digitou um texto bíblico.

 

Arauto

Re: Discurso de ódio não é real!

Bom, a existência ou não de conceitos dependem de crenças mesmo. Se você não acredita ok, eu também não acredito em justiça, mas ainda assim somos submetidos a ela, não pela minha crença, mas pela convenção, por aquilo que construímos até hoje enquanto humanidade.

 

Eu não estou me contrariando, estou dizendo que a liberdade de fazer e falar existe, mas existe também a punição, pois se você diz algo sobre alguém, esse outro alguém pode se ofender e pode te punir por vias legais ou não.

Certo e errado são divergentes de pessoa pra pessoa, mas convencionamos em vários assuntos sobre o que é certo/legal e errado/ilegal ou ainda moralmente falando. Discussões são necessariamente para convencionarmos sobre o que ainda é polêmico e pouco iluminado em nossos entendimentos.

 

A religião é um fator que influi muito na vida das pessoas, e literalmente incitam ódio e também outros sentimentos. Podemos lembrar de episódios passados e recentes. Mas esse tema é tabu, as pessoas se recusam a mexer e tentar entender os caminhos das religiões, porque dão a uma entidade da qual não temos controle o poder sobre nossas vidas. O Estado se separou então, supostamente, da Igreja, muito embora vemos as bíblias e outros livros sagrados ditando regras morais onde deveria se existir outro tipo de lógica.

 

Em se tratar de temas que devem ser recusados, no tocante de que incitam ódio, a Alemanha possui uma lei que rechaça discursos sobre o nazismo. Eu acredito que intervenções sejam necessárias em determinados assuntos e dependente das formas como são abordados.

 

Eu acredito na liberdade sim, mas se você pudesse fazer qualquer coisa sem arcar com as consequências de seus atos acho que a vida humana seria reduzida ou regredida a condição puramente animal.

 

Bom, eu não posso falar dos Estados Unidos, não acho que pra julgar a nossa lógica brasileira deveríamos observar aquele país em específico. Existem melhores exemplos de países que deveriam ser seguidos, pelo menos por minha ótica externa, a realidade interna não consigo verificar, pois moro aqui.

 

De toda forma, o ponto é que somos regulados, somos cidadãos e nossa liberdade utópica ( a qual acreditamos que podemos fazer e falar tudo ou qualquer coisa) é cerceada pelos mecanismos que nós criamos, sejam eles morais, éticos ou de Estado. Algo nos impede de simplesmente pegar um chocolate da bolsa de alguém, dirigir um ônibus. Nós temos a liberdade de escolhas dentro das determinadas condições que os meios nos permitem, convencionamos que devemos respeito as pessoas, e que não devemos nos matar, nos agredir. Então pensando pelo mesmo princípio, de certa forma faz sentido.

 

OBS: eu penso que, por princípio, meus exemplos possuem semelhança, mas talvez eu não esteja sendo claro o suficiente ao escrever.

 

Só exemplificando a linha imaginária que você citou: Todas nossas conceituações de virtudes são imaginárias: Você consegue precisar o que é sua dignidade? Sua honra? Decoro?

 

Então gosto muito de pensar em convenção, conceitos são convenções, o que acreditamos são convenções. Então acho plausível abrirmos mão de algumas convenções em prol do convívio.

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!


@AliceJogaLoL  escreveu:

@Caballo 

 Primeiramente, eu amei quando você falou "ao contrário de você, sou advogado e atuo na área" como se você estivesse um degrau acima.

 

Mas engraçado, eu já vi debates de pessoas que atuam na mesma área e nenhuma delas fizeram um texto desses que nem o seu, elas usaram uma linguagem suavizada e adequada e apresentaram argumentos convincentes, será por quê?

 

E outra coisa, eu também amei quando você disse "míseras linhas" quando você literalmente digitou um texto bíblico.

 


Olha AUHSAUAHSUAHDU não quero ter treta com ninguém, mas eu tenho que concordar que se por em cima de alguém pelo simples fato de servir a sociedade com algum tipo de emprego diferenciado (o que é digno seu, mas nunca motivo para se por acima de outros) é realmente ridículo. Sou conservador e leio muito o assunto, mas nunca cheguei em uma feminista (por exemplo) e disse 'sai daqui que eu sei o que estou falando eu li', sempre tem algo que nós não sabíamos, e é bom ouvir ao próximo.

Você não é melhor que ninguém, e sério, seu texto foi cansativo de ler, eu coinseguiria resumir o que tu escreveu em 4 linhas. 

 

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!


@LeBlanc do Fórum  escreveu:

@AliceJogaLoL  escreveu:

@Caballo 

 Primeiramente, eu amei quando você falou "ao contrário de você, sou advogado e atuo na área" como se você estivesse um degrau acima.

 

Mas engraçado, eu já vi debates de pessoas que atuam na mesma área e nenhuma delas fizeram um texto desses que nem o seu, elas usaram uma linguagem suavizada e adequada e apresentaram argumentos convincentes, será por quê?

 

E outra coisa, eu também amei quando você disse "míseras linhas" quando você literalmente digitou um texto bíblico.

 


Olha AUHSAUAHSUAHDU não quero ter treta com ninguém, mas eu tenho que concordar que se por em cima de alguém pelo simples fato de servir a sociedade com algum tipo de emprego diferenciado (o que é digno seu, mas nunca motivo para se por acima de outros) é realmente ridículo. Sou conservador e leio muito o assunto, mas nunca cheguei em uma feminista (por exemplo) e disse 'sai daqui que eu sei o que estou falando eu li', sempre tem algo que nós não sabíamos, e é bom ouvir ao próximo.

Você não é melhor que ninguém, e sério, seu texto foi cansativo de ler, eu coinseguiria resumir o que tu escreveu em 4 linhas. 

 


Refutando o que escrevi, acredito que escrever mais não significa necessariamente ter mais informações. Qualquer escritor tenta resumir ao máximo o que escreve, pergunta pra qualquer um, conteúdo demais pra coisas pequenas cansam a vista, cansam o leitor de querer 'se informar'.

Boa tarde pessoal.

Highlighted
Dragão

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!


@Caballo  escreveu:
Bom, já percebi que contextualizar pra você entender o que eu quero dizer também não vale a pena, percebi que gente ignorante como você, que não gosta de leitura e muito menos tentar entender, não vale a pena tentar mostrar o óbvio, até por que mostrei exatamente o ponto que você mais arguemnta. Discurso de ódio é real, vai continuar existindo não importa o que dê nesse fórum. Aliás, ao contrário de você, eu sou advogado e conheço a constituição por que a estudei e atuo na área, quer discutir questões de Direito e não aguenta ler míseras linhas? Vai precisar ler muitas vezes para extrair o mínimo do meu "textão", por que o que tu citou é apenas "nada" de um todo. Passar bem e bom jogo!

Só uma coisinha, rs...

Se vc é advogado, vc é um Bacharel em Direito (lógico).

 

Pois bem, eu sou Bacharel em Sistemas de Informação. Lembre-se que aqui não é um local acadêmico, logo, podemos não estar falando com gente que possui títulos, e ainda posso dizer que, já que estamos em um Fórum, na internet, e pessoas estão usando um dispositivo tecnológico, elas podem se cansar se ver um texto longo demais, cansando até a visão.

 

Vi que você fez referência a certos autores. Melhor agrupar em parágrafos, resumindo o que cada autor quis dizer, já que vc não está fazendo o seu TCC. Procure usar palavras mais simples, para que o pessoal entenda. Assim fica mehor para todos Smiley Wink.

 

Boas Vitórias para você!

 

Tropa

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

@LeBlanc do Fórum 

Mas esse é o problema, ao se tratar de Direitos Fundamentais e questões de Direito em si, os assuntos se tornam complicados e não são simples, precisam ser contextualizados e explicados ponto a ponto. Por isso "textões", pegue uma jurisprudência (princpalmente do STF) ou textos de lei e você mesmo verá que eles não são resumidos, eles não podem ser resumidos a meras linhas e se forem sempre serão incompletos ou precisará de leituras obrigatórias que sempre serão recomendadas. Isso que eu escrevi sim foi um resumo do que é nosso atual ordenamento jurídico e como funciona de caso para caso a aplicação dos Direitos Fundamentais. 

Expliquei exatamente o que é os Diretos Fundamentais, seus limites, restrições, âmbito de proteção e o por que de ele ser imporante (ainda com os autores que influenciaram na nossa C.F.), inclusive com o adicional de casos reais para melhor entendimento. 

Arauto

Re: demoRe: Discurso de ódio não é real!

Alguns assuntos precisam de extensos debates, variadas formas de entendimento e por isso precisamos, muitas vezes, discorrer sobre o tema mais tempo e com mais palavras.

Quando estudamos, digo em qualquer profissão, precisamos nos inteirar dos assuntos e discussões que já ocorreram e ainda ocorrem, e são anos lendo livros, extensos livros que muitas vezes discorrem sobre um mesmo assunto.

Acho que quando se propõe uma discussão você precisa estar "a fim de" ouvir/ler o que o outro tem a dizer senão vira apenas uma demonstração de opiniões em que um não escuta o outro, cada um se mantem com sua verdade e pronto.

O colega ali mostrou através do conhecimento jurídico dele a opinião, com algum tecnicismo desnecessário, mas após tempo trabalhando com os termos você se acostuma.

Esse tipo de discussão é vasta e provavelmente polêmica, então gera muito discursos, como discutir aqui sem escrever e sem estar disposto a ler?