cancelar
Showing results for 
Search instead for 
Do you mean 

Latania/Skrayn - A sacerdotisa/O demônio (História)

Tropa

Latania/Skrayn - A sacerdotisa/O demônio (História)

Eai povo, turu bem?

 

Esse é o 2º post que eu faço no fórum, mas é o 1º desse tipo, eu to gostando muito de criar novo campeões, então decidi postar esses que criei aqui, espero que gostem e boa leitura.

Smiley Happy

 

História

 

A sacerdotisa e o demônio

 

Latania era uma garota Ioniana que desde criança queria ser uma sacerdotisa no templo de sua vila, ela amava ouvir histórias da cultura local sobre espíritos, bravos guerreiros e demônios que atormentavam as pessoas. Desde cedo a menina aprendeu a os temer, mas a história que mais gostava era a do aspecto sagrado que protegia a vila, do primeiro a herdar os poderes de tal ser, cuja pessoa que fundou a vila e que só alguém com um coração muito bondoso e puro poderia se tornar receptáculo desse aspecto. Tendo uma afinidade muito grande com a magia, diferente de outras pessoas, ela podia ver e sempre brincava com os espíritos que viviam na floresta perto de sua vila.

Mesmo aqueles que muitos consideravam maus, para ela não passavam de espíritos atormentados buscando por paz. A garota os ajudava, dando a eles um caminho para seu descanso. Ela cresceu se tornando uma bela mulher e finalmente uma sacerdotisa, com um poder mágico incrível e uma ligação muito grande com o mundo espiritual, ela era excelente naquilo que fazia, podendo curar várias pessoas ao mesmo tempo. Uma certa vez, em um fim de tarde, enquanto passeava pela floresta, ela viu um homem que estava gravemente ferido, sem pensar duas vezes foi até ele.

-Você está bem? Perguntou ela.

-Sim, não precisa se preocupar comigo. Disse ele tentando se levantar.

-Venha, eu vou te levar a um lugar seguro e cuidar desses ferimentos. Disse ela tentando ajudá-lo a levantar.

-JÁ DISSE QUE NÃO PRECISA. Ele gritou a empurrando.

-E como você pretende se curar sem os devidos cuidados? Ela falou insistentemente.

-Droga, você é insistente. Disse ele se levantando.

-Espera, você está muito ferido, não tente levantar sozinho. Ela disse aflita.

-Tudo bem, eu sou um dem... Ele desmaiou antes de completar a frase.

Latania teve dificuldades, mas conseguiu levar o homem para casa, cuidou de suas feridas e tentou usar sua magia para curá-lo, mas não surtiu efeito, ela ficou muito assustada, pensando o que poderia ser, mas deixou isso de lado e foi preparar algo para ele comer.

Quando voltou para o quarto, o homem estava acordado. Ela tentou o curar mais uma vez, mas ele segurou seu braço.

-Não faça isso. Disse o rapaz.

-Por que não? Perguntou Latania.

-Sua magia não funcionaria em mim. Ele a olhou.

-P─por que não funcionaria? Ela já sabia a resposta, mas não queria acreditar.

-Eu sou um demônio. Ele confirmou suas suspeitas.

-É melhor eu ir embora, se alguém descobrir, você estará com sérios problemas. Ele disse tentando se levantar, mas estava muito fraco.

-Não, você fique deitado, se não descansar só vai piorar mais. Ela disse enquanto ajeitava o cobertor.

-E coma o que eu trouxe, você vai precisar de energia, já que não posso te curar. Ela disse entregando a comida que havia feito.

-O─obrigado. Ele agradeceu e pegou a comida.

-Isso tá muito bom. Falou enquanto comia.

-Não fale de boca cheia. Ela o repreendeu. -É falta de educação.

-Desculpe por isso. Ele disse.

-Você não tem medo de mim? Perguntou o homem.

-Por que eu deveria? Disse ela.

-Bem, eu sou um demônio.

-É, você já disse isso. Não, eu não tenho.

-Sério? Mas todo mundo tem medo de demônios. Ele achou a atitude dela estranha.

-Eu já estou acostumada com espíritos que os outros julgam ser ruins. Ela se gabou disso.

-Tudo... Bem. Ele não pôde acreditar na comparação, quer dizer, como ela pode compará-lo a um mero espírito?

Ele terminou de comer e entregou o prato para ela levar à cozinha, mas antes que a moça saísse o homem disse.

-A propósito, ainda não sei seu nome.

-Latania. Ela falou.

-O meu é Skrayn, muito prazer. Ele a cumprimentou.

-O prazer é meu. Disse ela saindo.

Quando voltou para o quarto, o rapaz estava dormindo. Ela não sabia se o que estava fazendo era certo, mas tinha certeza de uma coisa, ele precisava de ajuda e só ela poderia ajudar, ninguém mais ajudaria, eles o condenariam à morte.

-Eu sou uma sacerdotisa, é meu dever ajudá-lo. Pensou ela.

Skrayn arrota, à deixando furiosa.

-Seu mal educado, se você não estivesse se recuperando eu iria te bater agora mesmo! Disse ela, mas ele nem se mexeu.

Ela adormeceu na cadeira enquanto o vigiava. No dia seguinte quando Latania acordou, ele não estava mais na cama, mas deixou um colar estranho e um papel com a seguinte mensagem, "obrigado por ter cuidado de mim, mas não posso ficar mais tempo, pois isso lhe causaria problemas, se você precisar de ajuda me chame, mas só se for um caso de vida ou morte", ela procurou em toda a parte, mas Skrayn havia ido embora. Latania continuou com sua rotina como sacerdotisa, mas as pessoas não olhavam para ela da mesma forma, mas ainda pediam sua ajuda. Um certo dia, alguns guardas foram a procura dela.

-Precisamos que você venha com a gente. Disse um dos guardas.

-O que aconteceu? Perguntou ela.

-Os anciãos querem falar com você. O guardar voltou a dizer.

-Claro, só deixe eu terminar de curar esta senhora. Latania pediu.

-Tem que ser agora! Ele insistiu.

-Deixa que eu cuido dela. Disse um dos acólitos.

-Claro, obrigada. Ela disse ao rapaz.

Então Latania foi levada pelos guardas até onde os anciãos estavam, ficou de pé em frente a eles e um deles disse.

-Você foi acusada como herege, por abrigar, cuidar e depois libertar um demônio.

-E─eu... ele estava ferido, o que poderia fazer? Ela disse.

-Você deveria ter o matado. O ancião mais velho disse furioso.

-Mas ele precisava de ajuda. Ela tentou se explicar.

-Vamos dar a você uma chance de se redimir. Disse o homem. -Você o chama e nós cuidaremos dele.

-Mas ele não fez nada de errado. Ela disse em um tom muito triste.

-Ele é um demônio e precisa morrer! Exclamou aquele ancião.

-Eu não posso. Respondeu ela.

-Faça isso, ou você enfrentará a pena por esse crime, que é a morte.

-Tá, tudo bem, eu faço. Ela falou tristemente.

-Ótimo, mas não aqui e nem agora, primeiro você será levada a uma cela, assim poderá se arrepender de seus pecados e os guardas te buscarão quando tudo estiver pronto.

-Pronto para que? Ela perguntou temendo o pior.

-Para que esse demônio seja exorcizado. Disse ele antes de sinalizar para que os guardas a levassem.

Ela passou o dia todo na cela, pensando no que poderia fazer para se safar, ela não poderia fazer isso com Skrayn, ele não havia feito nada errado e não merecia morrer.

Quando a noite chegou e tudo estava pronto, os guardas vieram e a levaram. Latania foi levada a praça, lá havia um círculo mágico, é onde eles prenderiam e matariam Skrayn, todos estavam lá, seus amigos, familiares, todos da vila, eles não levantaram um dedo para ajudá-la, mas não poderiam, também seriam acusados como hereges e a culpa era somente dela. Todos ficaram longe, somente Latania estava a beira do círculo.

-ANDA, INVOQUE ESSE SEU AMIGO. Gritou o ancião mais velho.

-Skrayn, eu o invoco pois preciso de sua ajuda. Disse ela muito triste.

-O que foi, espero que seja um caso de vida ou morte. Ele havia aparecido.

-Eu sinto muito. Ela estava chorando.

-Ora, sua idiota. Ele falou com muita raiva.

-Se não tivesse feito isso, eu morreria. Disse Latania.

-Eu falei que traria problemas. Skrayn disse.

-Se afaste, agora nós cuidaremos dele. O mesmo ancião ordenou.

Ela começou a andar em direção à multidão e se juntou a sua família, que estava na frente.

-Que tipo de sacerdotisa condena alguém à morte. Ela falou para seus pais.

-Ele não era humano. Sua mãe disse.

-Mas ele não fez nada de errado! Ela gritou.

-Quer falar alguma coisa? Perguntou um dos anciãos.

-Não, senhor. Disse ela e abaixou a cabeça.

-Mas eu sou uma sacerdotisa, como poderia deixar alguém morrer sem ajudar? Ela pensou.

Ela pegou a adaga de um dos soldados e correu em direção ao círculo mágico, empurrando os anciãos que estavam na frente, sua família tentou a impedir, mas não conseguiram.

-O que você está fazendo, ficou louca? Skrayn começou a gritar com ela. -Pare já com isso, você será morta.

-Eu não posso, você precisa de ajuda. Ela disse enquanto riscava o círculo em que ele estava preso.

-Guardas, matem essa herege. Disse o ancião mais velho.

-Mas, senhor... Disse um dos guardas.

-Vocês estão questionando minhas ordens? Voltou a dizer o ancião.

-N─não senhor. Falou o guarda.

Eles prepararam os arcos e flechas, então atiraram. Enquanto isso Latania conseguiu riscar o círculo e Skrayn desapareceu na mesma hora. Quando as flechas iam acertá-la, ele apareceu atrás dela.

-NÃO. Ele caiu no chão e ela o segurou. -Por que fez isso?

-Você salvou minha vida, agora eu salvei a sua.

-Mas foi tudo minha culpa, se eu não tivesse te chamado isso não teria acontecido. Ela falou chorando.

-V─você não teve escolha. Ele disse com dificuldade.

Ela tentou usar sua magia para curá-lo, mas não funcionou, mesmo assim ela continuou tentando.

-V─você sabe que isso não vai funcionar. Ele disse muito fraco.

-De que adianta ser uma sacerdotisa se não posso ajudar. Ela gritou.

-Meu dever é ajudar quem precisa, se eu não posso fazer isso, então não sirvo de nada. Ela gritou ainda mais alto.

Nesse momento uma luz o envolveu, ele foi curado e levantou.

-O que? Você curou esse demônio. O ancião a agarrou. -Sua maldita.

-Solte ela. Gritou Skrayn.

-Fuja agora. Gritou Latania.

-Você salvou a vida desse monstro e agora pagará com a sua. Disse o ancião cortando a garganta dela.

-NÃO. Disse Skrayn.

Ele não podia acreditar, ela estava morta, só queria ajudar, não tinha feito nada errado, tinha salvo a vida dele de novo, para terminar assim.

-Vocês querem um monstro, eu darei o que querem. Ele foi tomado por um ódio terrível.

Nesse momento Skrayn começou a assumir sua verdadeiro forma, ganhando chifres com uma chama na ponta, asas parecidas com as de morcego, só que gigantes, seu cabelo branco ficou longo e sua voz muito grave. A multidão estava paralisada de medo, nunca haviam visto nada assim e os anciãos deram um passo para trás.

-O que foi, não queriam um demônio? Ele andou em direção a eles.

-Ela só queria me ajudar e vocês a mataram. Ele agarrou o ancião mais velho pelo pescoço.

-P─piedade. Disse o ancião.

-Vou ter a mesma piedade que vocês tiveram como ela. Falou quebrando o pescoço dele.

Skrayn materializou uma espada negra e matou o restante deles, então virou-se em direção aos guardas e foi até eles.

-Latania... Latania. Ecoou uma voz para ela.

-M─mas eu estou morta. Disse espantada.

-Por enquanto. Disse a voz.

-Q─quem é v─você? Perguntou.

-Sou aquela que os desta vila deveriam temer e venerar. Disse o ser, com autoridade. -Eu sou o aspecto sagrado e você é digna de ser meu receptáculo.

O corpo de Latania começou o levitar, os olhos e boca dela se abriram liberando uma luz dourada. Ela assumiu uma nova forma, com asas brancas e uma roupa dourada. O aspecto ressuscitou todos que estavam mortos e curou os feridos. Skrayn olhou para trás e não pôde acreditar, ela estava viva.

-Latania, é você mesmo? Ele foi em direção a ela enquanto voltava à forma original.

-Sim, bem, eu acho que sim. Ela estava tão confusa quanto ele. Já tinha voltado ao normal.

-O que foi aquilo? Perguntou Skrayn.

-O aspecto sagrado. Disse ela muito feliz.

-Aspecto o quê? Ele perguntou.

-Sagrado. Disse ela emburrada.

-Eu sei, mas nunca pensei que veria manifesta em alguém.

Todos ficaram espantados ao ver aquilo, um ser dividido se manifestando em um humano.

-O que foi aquilo? Como isso é possível? Perguntou aquele mesmo ancião.

-Foi o aspecto sagrado, ela disse que eu sou digna. Latania falou para o homem.

-Impossível, tal ser não usaria alguém que ajudou um demônio. Ele estava furioso. -Você deve deixar está vila imediatamente, sua here...

-Chega disso, não é você quem deve decidir. Outro ancião o interrompeu.

Depois virou para Latania e Skrayn dizendo.

-Nos desculpem por tudo, se quiserem podem ficar na vila, vocês dois.

-Muito obrigada, eu agradeço por isso. Disse ela.

-Vocês foram muito... ai. Ela pisou no pé dele. -Tá tá, tudo bem, estão desculpados.

-Obrigado. Agradeceu o ancião.

-O que? Ela não pode ficar aqui, é uma her... Disse o ancião mais velho, que foi interrompido rudemente por Skrayn.

-Esse velho fala demais. Ele estava estalando os dedos. -Acho melhor eu silenciá-lo de novo.

O velho se calou na mesma hora.

-Obrigada pela oferta, mas teremos que recusar, não sei se Skrayn seria tão bem aceito aqui e eu quero sair para ver o mundo.

-Claro, mas venha nos visitar sempre que quiser. Disse o ancião alegremente.

-Sim, nós viremos. Falou ela.

Latania foi até a sua família, os abraçou e disse que iria embora, sua família ficou muito triste, pois não queriam que fosse, mas desejavam o melhor para sua filha.

-Cuide de nossa menina, por favor. Disse o pai dela à Skrayn.

-Sim, senhor. Ele disse.

Seus pais deram um saco com algumas moedas e um pouco de comida para eles levarem, ela se despediu de todos da vila e partiu.

-Para onde nós iremos agora? Perguntou Latania.

-Não sei, para onde o destino nos mandar.

Naquela mesma noite eles pararam em uma hospedaria para descansar e Skrayn foi se encontrar com uma amiga para pedir um favor.

-O que você quer? Perguntou a mulher.

-Quero um favor seu. Disse ele.

-E o que faz você pensar que eu ajudaria?

-Não é algo que você possa recusar. Disse ele seriamente.

-Tudo bem, eu farei. Falou ela com um ar de tédio.

-Há um ancião na vila de Latania. Explicou ele.

-Ok, deixa comigo, vai ser divertido. Disse ela maliciosamente.

-Só ele, não toque em mais ninguém, se o fizer, eu irei atrás de você! Skrayn estava ainda mais sério.

-Não se preocupe, docinho, só preciso de um. Disse ela enquanto desaparecia.

O ancião mais velho estava em sua casa, pensando no que poderia fazer para punir a família de Latania, já que não pode puni-la, *Toc toc*, alguém estava batendo na porta.

-Quem esta ai? Perguntou ele.

-É uma surpresa. Disse uma voz sensual. -Por que não abre a porta e veja você mesmo?

Ele foi até a porta, a abriu e lá estava uma mulher muito bonita e elegante.

-Olá. Ela disse. -Você é o ancião que me falaram?

-Quem falou?

-Um amigo me contou o quanto você é incrível, parece ser verdade.

-Por que não me deixa entrar, daí teremos uma noite muito agradável juntos. Ela disse o provocando.

-C─claro, p─pode entrar. Disse ele animado.

Ela entrou na casa dele, andando da forma mais sensual possível e disse.

-Adoro quando eles ficam safadinhos.

 

Habilidades, recall, status e etc.

https://forum.br.leagueoflegends.com/t5/Cria%C3%A7%C3%B5es-de-F%C3%A3s/Latania-Skrayn-A-sacerdotisa-...

 

Então, o que acharam? Ficou bom ou tem que melhorar?

Infelizmente, como a história é muito grande, eu vou ter que fazer outro blog com as habilidades, status, falas e etc. Quando estiver pronto, eu vou postar o link da história lá e o link dos status aqui.

2 RESPOSTAS
Tropa

Re: Latania/Skrayn - A sacerdotisa/O demônio (História)

Gostei da história e dos personagens, você escreve bem.

Essa amiga dele no final é a Evelynn?

Tropa

Re: Latania/Skrayn - A sacerdotisa/O demônio (História)

Vlw e sim :3